Pular para o conteúdo principal

Imigrantes, na capa dos jornais

Aqui em Vancouver tem dois jornaizinhos que são distribuídos gratuitamente todos os dias nas ruas, o 24 Hours e o Metro News. Hoje, a manchete principal dos dois falava das dificuldades dos imigrantes em conseguir empregos nas suas áreas. As notícias foram geradas pelo relatório do Statistics Canada, publicado ontem.

A pesquisa do instituto de estatísticas do governo entrevistou milhares de imigrantes em 2002, quando eles estava aqui há seis meses, e entrevistaram muitas dessas mesmas pessoas dois anos depois, pra avaliar como elas se adaptaram ao país, principalmente focando no mercado de trabalho.

O resultado da pesquisa mostra o que a gente já sabia: muitos imigrantes qualificados não conseguem empregos nas suas áreas quando chegam aqui. Nos jornais vi histórias de médicos que vendem cachorro-quente na rua e contadores que viraram caixas de supermercado.

É um pouco frustrante ver essa dura realidade. Se chegamos aqui através de um processo que seleciona profissionais qualificados, por que tais profissionais não conseguem se recolocar no mercado de trabalho canadense?

As notícias só me deixaram mais pra baixo. Não que eu não soubesse disso, eu sabia. Mas é que depois de mandar dezenas de currículos, ter feito cinco entrevistas (uma foi hoje) e até agora nenhum trabalho, tem horas que dá um desânimo só - tá, pode ser TPM também. Eu vou continuar tentando conseguir alguma oportunidade na minha área, mas não descarto a possibilidade de mudar de área, assim como tantos outros imigrantes.

Pelo menos eu estou fazendo um trabalho voluntário. Acabou que aquela primeira oportunidade não rolou porque é meio longe da minha casa, mas encontrei outra instituição que precisava de voluntários pra ajudar no site deles. Aliás, eles realmente precisam mudar aquele site! Eu comecei hoje e vou ter muito trabalho pela frente. Pelo menos isso pra me manter ocupada e trabalhando de alguma forma.

Comentários

Dricotinha! disse…
REALMENTEEE precisam mudar o sire urgentemente hehehe
Flavio Lopes disse…
Boa noite tenho uma opinião formada sobre este grande problema de colocação de trabalho para imigrantes, vc pode até achar meio ipocrita de minha parte, mas sinceramente vejo a imigração como fuga para muitos, gente q estudou, se especialisou mas nunca venceu, esse cidadão só estará mudando de endereço, entao vejpo o mesmo tendo problemas por ai tb.

Posso estar errado, mas eu acho que quem é bom, será bom em qualquer lugar, nao desanime com noticias como essa não, bola pra frente q vc consegue.

Abraço.

FL
Dona Minhoca disse…
É dureza mesmo, né? Tenho um amigo economista que hoje em dia é gerente de loja em Halifax - longe de ser o que esperava do Canadá. Anyways, cabeça erguida e continue na luta! :)
Diniz disse…
Este realmente é um problema que acho que todos encontraremos, mas acho que não podemos desistir dos nossos sonhos e como o Flavio falou se temos confiança no nosso taco, com certeza conseguiremos chegar lá.

Força e não desista, quanto a mudar de area, acho que voce não deve descartar esta idéia, somente mantenha o seu nivel de exigencia, e tente não cair em "survival jobs" que não te agregurm nada.

Abraços,

Diniz
Ana, avisa quando atualizar o site!

E vai ser bom pro teu currículo, né?

E, como disse o Flavio, tem que ver se eram qualificados mesmo e tinham bons empregos em seus países de origem esses imigrantes que acabaram não conseguindo trabalhar em suas áreas de especialização. E ver o nível do inglês deles. Você é qualificada, vai conseguir. Mas você mesma sabia, antes de sair daqui, que provavelmente demoraria um pouco. Lembre disso! :-) Tenha paciência, você chega lá, tenho certeza.

Beijos,
Silvia
Daniel disse…
O Canadá selecionada Skilled workers pois é uma forma de excluir muita gente. Imagina se bastasse nível médio e 500 dolares. Eles iriam receber 5 milhões de imigrantes por ano. Acho que essa dificuldade de conseguir validar diplomas e trabalhar na área em que fomos treinados é também reflexo de um certo protecionismo por parte deles. Tenho certeza que as diversas instituições de médicos, arquitetos, engenhiros etc...não estão muito interessadas em acelerar essa adaptação. Eles por aí já andam reclamam de falta de empregos, acho difícil que ainda assim queiram dividir igualmente com os imigrantes...claro que não.

Essa é uma barreira muito complicada que todos temos que enfrentar e dura alguns anos.

Tenta levantar o ânimo, continua envolvida no trabalho voluntário e ganhando experiência. O emprego virá, e depois outro melhor...e outro e outro...é uma questão de tempo.

Eu já venho há algum tempo estudando a possibilidade de chegar por aí e estudar outra coisa, como fotografia por exemplo, e mudar de profissão. Até por que já estou cansado do que faço aqui no Brasil, e no Canadá não será diferente.

Ana, também vai atrás de ler o lado positivo. Tem gente que arrumou emprego na primeira semana, outros já foram com emprego, etc...Em todo canto sempre existirão pessoas que se adaptarão mais facilmente e outras que nunca conseguirão nada.

Abraço e tudo de bom pra você.

Daniel
Acredito que o primeiro semestre é crucial para a adaptação na nova vida, por isso acho importante se programar quanto a poupança inicial para durante esse período ter tranquilidade.
O trabalho voluntário que está fazendo e as 5 entrevistas já realizadas, são portas se abrindo na famosa rede de relacionamentos tão importante para o primeiro emprego.
Acredito que todos que chegaremos em breve por aí passaremos por esses mesmos sentimentos, mas o importante como já dito anteriormente é não desanimar e heads up !!!

Abraço
Cecilia Brandao disse…
Ana,

Como disse o Daniel, tem também muita gente que nao precisou mudar de área e conseguiu uma colocação rápida. Discordo totalmente do comentário do Flávio (i´m sorry) - não vejo a imigração como fuga em relação ao mercado de trabalho. A maioria dos imigrantes fala em qualidade de vida, em futuro. Tem muita gente que tem bom emprego e uma vida "estabilizada" no Brasil, mas isso não é tudo. Quando imigramos, não pensamos apenas no aspecto financeiro. É preciso ser muito corajoso e ser determinado e isso foge completamente do perfil descrito pelo Flavio. Você já mostrou ser corajosa e determinada, por isso não desanime agora. Vá em frente, com força e a determinação que te levou para este lugar!!

abraços e boa sorte!
ruanmor disse…
" Nos jornais vi histórias de médicos que vendem cachorro-quente na rua e contadores que viraram caixas de supermercado."

Pô ! isso é uma coisa que eu nunca vou entender. O porque de um médico sair do Brasil quando a área de saúde ou medicina é a que mais tem dado garantia de emprego, alem de de "outros fatores que só os médicos sabem". Um médico jamais fica desempregado no Brasil e Contadores só ficam se quiseram.
Muitos brasileiros até fazem um bom curso aqui, mas vivem sonhando com o 1º mundo ! Acabam caindo nessas situações, pois na vida a gente tem que acordar todo dia inclusive pra saber que nossa formação não tem valor no 1º mundo. Quem não sabe ?
O que sei é que se os brasileiros que estão no exterior, se despisem do orgulho e dos preconceitos que tem quando estão aqui e que não os permitiram submeter a situações e trabalhos que lhes proporcionariam sucesso, certamente não precisariam invergonhar o Brasil lá fora.

Postagens mais visitadas deste blog

Você moraria em uma área de terremotos?

Aparentemente nós vamos (se tudo der certo!). Uma amiga minha, que também está com processo encaminhado e queria ir pra Vancouver, veio conversar comigo no início da semana perguntando se eu vi um documentário no Discovery Channel sobre um mega-terremoto que arrasou a costa oeste das Américas em 1700. Segundo especialistas, outro mega-terremoto desses está por vir, em algum momento entre agora e nos próximos 500 anos. Os mega-terremotos são espaçados de 200 a 800 anos, em média.

Aí eu fui catar na internet tudo sobre terremotos em Vancouver. E me deparei com muita informação, inclusive um departamento do governo canadense que cuida só disso, com monitoramento de todos os tremores que acontecem no país - não é só na costa oeste não, acontece em várias partes do Canadá, inclusive no Quebec.

Parece que tremores acontecem com frequência. A cidade tem melhorado a infra-estrutura de edificações para proteger contra grandes tremores e evitar estragos maiores. As pessoas são orientadas como pro…

35mm por 45mm

Quando comecei a ler as instruções do processo e toda a documentação necessária, fiquei muito intrigada com o tamanho das fotos: 3,5 x 4,5 cm. São necessárias 6 fotos. É isso mesmo, não é o padrão 3x4 que a gente conhece, esse meio centímetro de cada lado faz falta. E a especificação não fica por aí... o tamanho do topo da cabeça ao queixo tem que ter entre 2,5 cm e 3,5 cm. Tá tudo detalhado nesse documento, na página C-1.

Primeiro nós tentamos fazer em casa mesmo. Tiramos fotos digitais e manipulei o tamanho no Photoshop. Mas como meus conhecimentos na ferramenta são apenas para a web, é claro que não deu certo. Eu coloquei exatamente o tamanho pedido na régua do Photoshop e quando imprimiu naquele tamanho que eu pedi, a imagem ficou com uma resolução péssima. O que eu tinha que fazer era criar um arquivo em tamanho bem maior, pra quando imprimisse num tamanho menor, a resolução ficar boa. Mas aí tinha que fazer muitos cálculos e proporções pra saber o tamanho necessário do arquivo...…

Mudança - O que levar e o que deixar

Se me perguntarem o que eu levaria para o Canadá, responderia que levaria minha casa como ela é, com tudo dentro. Mas...

Sabemos que não dá pra levar tudo que queremos. No way! O jeito é classificar os objetos como "deixáveis", "duvidosos" e os "necessários".

Antes de classificar, saiba que é possível, sim, transportar o que você quiser para qualquer lugar do mundo. Mas, como na vida, tudo tem um preço. E que preço!

Diversas empresas efetuam o transporte mas só para ter uma idéia, o frete aéreo custa em média US$2,50/Kg ou US$6,00/m3. Ainda, as taxas adicionais de expediente, de armazenagem, de combusível e de emissão Cia. Aérea.

Por via marítima, algumas empresas cobram por metro cúbico. Como vai de container, neste caso compensa juntar com mudanças de outras famílias para fazer cair o valor do metro cúbico.

Com o dinheiro que você deixa de gastar com transporte, você pode comprar tudo no Canadá e de acordo com sua nova moradia. Se você não sabe onde vai mor…