Pular para o conteúdo principal

Na base da confiança

Uma das coisas que tenho notado ultimamente aqui é como os Vancouverites (como são chamados os habitantes da cidade) confiam. Simplesmente confiam.

Um exemplo? O Skytrain (metrô). Na entrada das estações há máquinas onde você compra o bilhete de embarque, mas você não precisa apresentar o bilhete em momento algum, ou sequer tem uma catraca. Eles têm a polícia do trânsito que inspeciona muito aleatoriamente os vagões. Eu mesma só tive que aprensentar meu bilhete uma única vez. Não sei se a taxa de caloteiros é alta. Eu diria que não. Eu fico só pensando se fosse assim no Brasil! Ha ha ha. So ia dar caloteiro! Não sei se por isso o preço da passagem é tão caro, de repente já está incluído a taxa dos caloteiros na passagem dos certinhos...

Outra coisa que eu ainda não estou acostumada é receber cheques pelo correio. Eu já tinha ouvido falar disso, que as pessoas mandam cheques pelo correio aqui na América do Norte. Tudo bem que o cheque é nominal, então acho que não tem como outra pessoa descontar ou trocar por dinheiro. Mas é tão estranho! Se fosse no Brasil, duvido que o cheque ia chegar no destinatário.

Quando a gente assinou a televisão a cabo em uma promoção, o cara da instalação pediu um cheque em branco e falou pra eu escrever "void" (nulo) no cheque. Eu estranhei, mas acabei dando o cheque pra ele. Depois fiquei encucada com aquilo. No cheque tem meu endereço, telefone e dados da conta bancária. Fiquei com receio que ele usasse os dados pra outros fins… Pensamento de brasileiro, né?

Essa coisa de dinheiro aqui é bem diferente do Brasil mesmo. Lá todo mundo é reservado com dados financeiros, endereço, telefone, e principalmente número do cartão de crédito, certo? Aqui não. Não precisa de sigilo nenhum! Voce passa o número do seu cartao pelo telefone numa boa, e as pessoas dão o número pra qualquer um, sem problemas. Ninguém imagina que vai ter um mal caráter que pode clonar o seu cartão e te dar um prejuízo danado. As pessoas confiam. Na semana passada o meu vice-diretor me pediu pra comprar sushi pra equipe dele (e isso é papo pra outra postagem!). Ele me deu o cartão de crédito dele e mandou eu assinar a notinha! Eu arregalei o olhão, claro. O pior é que a mulher do restaurante nem conferiu a assinatura! E não teve o menor problema.

Sinceramente, é tudo muito estranho! Não sei se vou me acostumar com esse excesso de confiança que todo mundo tem aqui. Isso é só pra mostrar um pouquinho das diferenças culturais que estamos enfrentando.

Comentários

Cíntia Levita disse…
Isso é mesmo um choque cultural.
Quem sabe um dia chegamos nesse ponto? Eu confio... rsrsrsrs
Beijos!
Eva Jucá disse…
heheh esse excesso de confiança choca mesmo. O pior para mim foi qdo o assunto era banco. Acostumada a mil e uma senhas, aqui, é uma e pronto, e como vc disse ainda tem o VOID cheque que a pessoa faz o que quiser com a sua conta. Mas o pior é que funciona assim, então.. Aqui a lei é "todo mundo é honesto até que se prove o contrário".
Agora no verão você vai ver que o povo deixa os carros abertos nos estacionamentos, com os vidros ABERTOS para refrescar! E o pior, vocÊ olha dentro e está cheio de coisas pessoais dentro do carro! E ninguém toca! Repara nisso!
Bjs
Eva
Jeanne disse…
Isso que você fala me parece um conto de fadas. Acho que nem em cidades do interior aqui no Brasil a confiança é tanta.
Estou indo para Toronto no dia 21 e tomara que lá as coisas sejam assim também.
Achei esse post surreal. Quero viver isso tb.
Bjs.
Micheli disse…
Pois é Ana Paula,o Sandro já postou exatamente sobre este mesmo tema no blog, inclusive usou o mesmo exemplo do metrô, a confiança em pequenos atos cotidianos dos "vancouverites"é realmente uma maravilha! Poderia estar ao lado de Niágara Falls e de tantas outras como uma das maravilhas canadenses...acho que na verdade a maior riqueza de um povo está na valorização do ser humano e dos valores morais,infelizmente,num mundo tão pervertido em que vivemos, é bom saber que pelo menos esses valores poderemos deixar de herança aos nossos filhos.Bjos e boa semana
Anônimo disse…
gente,discordo da visao de cheques e cartoes!!
Existe sim muitas diferencas culturais, mas esta do cheque eu fiquei chocada de vcs compararem, pque nao sei de que Brasil vcs vieram, mas estou aqui ha 5 anos e morava em Brasilia e SEMPRE trabalhei com cheques via correio na maior tranquilidade.
Sempre usei a internet e dei meu cartao de credito tbem e ate por telefones para atendentes da revista VEJA qdo queria comprar algo pela promocao deles.

Mas concordo sobre o Skytrain.Ja vi muitas batidas e sempre com 1 ou 2 turistas andando sem ticket.
Mas os canadenses sabem que a multa nao eh pequena e o record deles fica prejudicado com esta pequena infracao.
A tranquilidade e devida a ser ainda um pais vazio. canada so tem 33 milhoes de habitantes , enquanto Brasil ja passou dos 177 milhoes. Qta diferenca!
Hamilton disse…
A diferença do grau de confiança no outro é realmente abissal entre Brasil e Canadá. Você nota nos pequenos atos do cotidiano. Claro, no Canadá há gente desonesta, mas em percentual muito inferior ao verificado no Brasil. Não é fácil, entretanto, "medir" esse grau de confiança no próximo. Além dos exemplos cotidianos, a única fonte de informação que conheço é o World Value Survey, que é um estudo, feito rotineiramente, dos diversos valores culturais dos diferentes povos do planeta. Na última vez que fizeram a pesquisa no Brasil, a resposta à pergunta: "Você confia na maioria das pessoas?" trouxe como resposta 2,8% de sim, o pior resultado entre todos os países pesquisados naquele ano. Quando fizeram uma correlação entre essa resposta e o nível de desenvolvimento dos diversos países pesquisados, não por acaso se verificou que nos países desenvolvidos o nível de confiança no "outro" foi muito mais alto. No Canadá (pesquisa de 2000), por exemplo,foi de 38,8%, ligeiramente acima do verificado nos EUA. Na Suécia (1999), incríveis 66,3%. Eu ainda vivo no Brasil (estive no Canadá várias vezes) e aqui é muito fácil perceber o grau de desconfiança generalizado que existe em relação ao próximo. Parte-se sempre do princípio de que o próximo é um potencial malandro, pronto para te passar a perna. Parabéns pelo blog, que sempre acompanho, e sucesso para sua família no Canadá!
Anônimo disse…
olá... isso é simplesmente maravilhoso! estou com processo encaminhado para o canada, e pretendo morar em vancouver... estiver ai nas ultimas ferias no ano passado! é tudo de bom! estou muito feliz que voce ja esteja com qualidade de vida que todos nos merecemos! parabens! tudo de bom!
abracos. paula ferreira (futura vizinha)

Postagens mais visitadas deste blog

Você moraria em uma área de terremotos?

Aparentemente nós vamos (se tudo der certo!). Uma amiga minha, que também está com processo encaminhado e queria ir pra Vancouver, veio conversar comigo no início da semana perguntando se eu vi um documentário no Discovery Channel sobre um mega-terremoto que arrasou a costa oeste das Américas em 1700. Segundo especialistas, outro mega-terremoto desses está por vir, em algum momento entre agora e nos próximos 500 anos. Os mega-terremotos são espaçados de 200 a 800 anos, em média.

Aí eu fui catar na internet tudo sobre terremotos em Vancouver. E me deparei com muita informação, inclusive um departamento do governo canadense que cuida só disso, com monitoramento de todos os tremores que acontecem no país - não é só na costa oeste não, acontece em várias partes do Canadá, inclusive no Quebec.

Parece que tremores acontecem com frequência. A cidade tem melhorado a infra-estrutura de edificações para proteger contra grandes tremores e evitar estragos maiores. As pessoas são orientadas como pro…

35mm por 45mm

Quando comecei a ler as instruções do processo e toda a documentação necessária, fiquei muito intrigada com o tamanho das fotos: 3,5 x 4,5 cm. São necessárias 6 fotos. É isso mesmo, não é o padrão 3x4 que a gente conhece, esse meio centímetro de cada lado faz falta. E a especificação não fica por aí... o tamanho do topo da cabeça ao queixo tem que ter entre 2,5 cm e 3,5 cm. Tá tudo detalhado nesse documento, na página C-1.

Primeiro nós tentamos fazer em casa mesmo. Tiramos fotos digitais e manipulei o tamanho no Photoshop. Mas como meus conhecimentos na ferramenta são apenas para a web, é claro que não deu certo. Eu coloquei exatamente o tamanho pedido na régua do Photoshop e quando imprimiu naquele tamanho que eu pedi, a imagem ficou com uma resolução péssima. O que eu tinha que fazer era criar um arquivo em tamanho bem maior, pra quando imprimisse num tamanho menor, a resolução ficar boa. Mas aí tinha que fazer muitos cálculos e proporções pra saber o tamanho necessário do arquivo...…

Fora do ar por tempo indeterminado

Eu nunca pensei que fosse querer encerrar esse blog. Quem me conhece de outros blogs, sabe que eu adoro escrever blogs. O fato é que não há mais tempo. Agora que engatamos de vez na nossa rotina daqui, não sobra tempo pra blogar direito. Eu já tenho o meu outro blog e lá vou continuar escrevendo, mas não exclusivamente sobre as coisas do Canadá.

Outro fator que nos fez dar um tempo com o blog, pra ser bem sincera com vocês, foi um pouco de chateação com a quantidade de emails que recebemos perguntando sobre o processo, sobre a vida aqui, sobre o mercado de trabalho aqui em determinada área. Tem gente que nem se dá o trabalho de ler os arquivos. Tem gente que escreve perguntando do processo de Quebec. Tem gente que vem estudar aqui e quer que a gente indique acomodação. Tem gente que quer saber se o mercado de trabalho em engenharia química ou biblioteconomia (são exemplos, tá) é bom aqui. Tem gente que pergunta se aqui em Toronto (!!!!!) é legal... Ou seja, totalmente sem noção.

Quem já…